terça-feira, janeiro 30, 2007

30 dias versus 8 dias, quem duvida da escolha?

É o que vem numa notícia de dia 19 no site da Ordem dos Farmacêuticos: a maioria das farmácias nacionais prefere ceder os seus créditos das comparticipações sobre medicamentos à Finanfarma, empresa da ANF, do que receber os créditos directamente do Estado. Enquanto que o Estado propõe um prazo de pagamento de 30 dias, a Finanfarma promete um prazo de apenas 8 dias. O custo deste prazo continua a ser os 1,5% da facturação da farmácia.

Acontece que a ANF procedeu à realização de uma série de reuniões regionais, sendo que se inscreveram nas reuniões 2044 farmácias e participaram cerca de 3000 pessoas. Esta convocatória de reuniões ocorreu em consequência da intenção do Ministério da Saúde de criar um fundo de pagamento das dívidas às farmácias.

Bem se vê que a maioria das farmácias não aprova a proposta do Ministério da Saúde: seria trocar um sistema que todas conhecem e que funciona bem por outro que ninguém sabe muito bem como iria correr.

Parece que ninguém confia particularmente no Estado quanto ao pagamento de dívidas!

segunda-feira, janeiro 22, 2007

Anúncio do Infarmed

A semana passada, ao vasculhar o site do infarmed, descobri uma notícia muito interessante. Um dos avisos publicados pelo infarmed sobre recolha de medicamentos avisava que deveriam ser recolhidos alguns lotes do medicamento glimepirida Baldacci ®, devido a não conformidades nos caracteres organolépticos.
No intuito de investigar o porquê desta recolha de lote li o comunicado assinado pelo vice-presidente do Infarmed, o nosso Prof Dr. Hélder Filipe, que indicava para meu espanto que o caracter organoléptico não conforme era a forma dos comprimidos: os comprimidos têm a forma oblonga, e neste lote saíram com a forma circular.



Ao princípio, sou sincero (e daí o meu espanto), pensei que era um motivo quase ridículo para proceder à recolha do lote (o que é que interessa ser oblongo ou redondo), mas depois lembrei-me que alguma coisa menos agradável deveria ter ocorrido para tal acontecer (o que aumentou ainda mais o meu espanto). Pensei eu: se os comprimidos saíram com a forma errada, foi porque alguém não procedeu à troca dos punções na máquina de compressão. E ninguém na produção verificou que não se tinha procedido à troca de punções. E ninguém no controlo de qualidade verificou que os comprimidos saíram com a forma errada. E alguém procedeu à libertação do lote ou sem os dados do controlo de qualidade, ou com os dados errados.
Vendo a sucessão de erros que ocorreram ao longo desta situação, vê-se o porquê desta notícia quase banal dar lugar a um post no linezolide. Todos os elementos fulcrais de uma unidade de produção falharam: produção, controlo de qualidade e direcção técnica. As razões que levaram ao acontecimento inicial são de todo desconhecidas (não limpeza da máquina entre lotes, limpeza mas não alteração dos punções, ou outras possibilidades), mas a falha no sistema de garantia de qualidade da unidade é gritante e muito desconcertante.

O linezolide espera que estes “fenómenos” não ocorram mais nas unidades de produção, e que isto tenha sido um caso isolado. De outro modo, algo vai mal no mundo farmacêutico...

Resultados da sondagem (quasi) semanal.

Apresentamos agora os resultados da última sondagem linezolide, que desta vez esteve em vigor mais que uma semana.

À pergunta “É correcto dar brindes aos utentes de uma farmácia no Natal?”, os resultados obtidos foram os seguintes:

Sim, há que manter uma boa relação com o utente: 36%
Eticamente incorrecto, mas é um bom instrumento de marketing: 29%
Só deve dar aos utentes mais assíduos: 7%
Não deve dar, pois transforma a farmácia numa loja como outra qualquer: 29%

O total de votos obtido foi de 10 votos, um recorde em relação à última sondagem onde obtivemos uns honrosos 9 votos!
Interpretando os resultados, a maioria dos votantes considera não ser um problema a distribuição dos brindes no Natal, para manter uma boa relação com o doente. Os benefícios desta boa relação são sem dúvida um melhor seguimento farmacoterapêutico e uma maior facilidade na comunicação com os doentes, no intuito da identificação de erros de medicação. No entanto, esta distribuição de brindes pode muito bem ser um instrumento de marketing usado com o objectivo de aumentar a afluência à farmácia. 29% dos votantes consideraram ser este o objectivo da distribuição dos brindes, afirmando que é um procedimento eticamente incorrecto. Outros 29% dos votantes concordaram com a não distribuição de brindes, visto que transformaria a farmácia numa loja como outra qualquer, onde não se prestaria um verdadeiro serviço de saúde. Nenhum votante considerou a hipótese de premiar os utentes mais assíduos.
Concluindo, podemos considerar que os votantes aprovam a distribuição dos brindes durante a época festiva.

Para finalizar o post, a equipa do linezolide informa que a partir de agora as sondagens passarão a ter uma periodicidade mensal, de forma a obter um maior número de votos!!

Dois factos recentes!


Que a alimentação é muito importante para a nossa vida, já toda a gente sabe. Neste caso é mesmo verdade: na publicidade aos suplementos alimentares e aos alimentos funcionais (como são exemplo os iogurtes com efeitos bifidos), este facto está ao alcance de todos.
A alimentação tornou-se num objecto de marketing nas mãos da indústria farmacêutica, um nicho de mercado completamente diferente daquele dos medicamentos de uso humano.
Nesta sequência, penso eu, criou-se uma necessidade de se pensarem em mais estudos e projectos de investigação para provar que determinado nutriente em determinada quantidade faz bem a um determinado mecanismo ou a um conjunto de acções que o nosso organismo desenvolve. Ou então, estudos para provar que a alimentação "não cuidada" só nos traz malefícios e quanto mais se demonstra que os malefícios são mais profundos do que a alteração do nosso aspecto físico, mais chocante o assunto é!

Portanto, e no seguimento lógico desta pequena introdução, apresento-vos dois assuntos que demonstram exactamente o que acima vos expus.

No primeiro figura o ácido fólico. Este nutriente, presente nos vegetais verdes, foi alvo de um estudo conduzido por investigadores holandeses que demonstraram que o ácido fólico como suplemento tem benefícios na memória e na capacidade intelectual. Como sabemos, estas duas virtudes tendem a diminuir com o envelhecimento. Daí a tentativa de promoção deste nutriente nas dietas dos mais idosos, que tomem suplementos de ácido fólico para diminuir o risco de demência. Foi exactamente isto que se provou com uma dieta rica em ácido fólico - as pessoas tinham melhor memória e processavam mais facilmente a informação.
Actualmente, os suplementos de ácido fólico são vivamente aconselhados nas mulheres grávidas. No entanto, com esta descoberta e sabendo já que esta molécula é essencial para a vida celular, já existem estudos e tentativas de inserir ácido fólico na farinha que mais se consome.
O único problema duma dieta rica em ácido fólico é mesmo que este nutriente mascara uma possível anemia devido a baixos níveis de vitamina B12.

Em segundo plano fica o malefício das gorduras trans. Para além de aumentarem o risco cardiovascular e de contribuirem como risco de diabetes, este tipo de gorduras, que primam nas batatas fritas e snacks de todo o género, estão completamente desaconselhadas nas mulheres que querem engravidar. Estas mulheres inférteis (normalmente devido ao síndrome do ovário policístico) estão em risco de aumentar a sua infertilidade ao ter uma dieta que contenha gorduras parcialmente ou totalmente hidrogenadas. O que se passa é que este tipo de gordura interage com receptores celulares que normalmente são sensíveis à insulina, e estão involvidos também no processo inflamatório. Os fármacos que activam estes receptores mostraram-se eficazes no tratamento da infertilidade em mulheres com este síndrome. Há portanto um fenómeno de competição pelo mesmo local efector por parte destas gorduras "mázinhas".
Os investigadores da Harvard School of Public Health calcularam que bastam 2% de aumento de calorias que uma mulher obtém ao comer este tipo de gorduras para que o seu risco de infertilidade aumentar desde 70% a 100%!
A FDA tomou como medida a exigência para a indústria alimentar explicitar quantos gramas de gorduras trans por cada alimento, não sendo obrigatório dizer a quantidade se esta for menor que 0,5 g.

Aqui vos mostrei dois bons exemplos do que se estuda sobre alimentação e suplementos alimentares.
Conseguirá demostrar-se, mesmo assim, que uma alimentação equilibrada e saudável poderá ser o suficiente para nos mantermos sãos?

segunda-feira, janeiro 15, 2007

Vírus, os nossos amigos??

Cientistas britânicos estão actualmente a investigar a utilização de alguns vírus no tratamento de neoplasias. Esta metodologia baseia-se na capacidade de alguns vírus poderem penetrar em células tumorais, e posteriormente causarem a morte da célula tumoral: a formação de várias partículas virais no local onde se situa o tumor e a infecção das células adjacentes poderá levar à destruição in situ do tumor, já verificada quando se injecta directamente os vírus no tecido tumoral (embora seja uma técnica de pouca utilidade prática).



O que é curioso nesta ideia de terapia é o modo usado para evitar que os vírus sejam detectados pelo sistema imunitário quando administrados na circulação: os vírus são quimicamente modificados e é-lhes adicionado um revestimento polimérico (provavelmente PEGs) que permite, por redução da hidrofobicidade, evitar o reconhecimento pelo sistema imunitário. São os verdadeiros “stealth virus”, semelhantes aos lipossomas stealth já nossos conhecidos. Este revestimento, aliado à imunossupressão causada pelo tecido tumoral nos tecidos adjacentes, permite que a infecção e replicação viral ocorram sem a interferência do sistema imunitário. Caso os vírus formados após a replicação nas primeiras células, e que já não possuem o revestimento polimérico, sejam encontrados na circulação sistémica, são rapidamente detectados pelo sistema imunitário e impedidos de actuar noutros tecidos saudáveis.

Os vírus mais prováveis para serem utilizados nos primeiros ensaios serão os adenovírus e o vaccinia, embora os autores do artigo não expliquem porquê (e eu também não tive possibilidade para procurar informação...).

Esta terapêutica, caso seja exequível, seria de grande utilidade para os estadios tumorais mais terminais, onde se encontram muitas metástases: como é o próprio vírus a reconhecer as células neoplásicas, a injecção dos vírus na circulação sistémica levá-los-ia directamente aos vários locais de acção (desde que acessíveis a partir da circulação sistémica).

quarta-feira, janeiro 10, 2007

Milk with your tea? No, thank you!

Aqui vai uma novidade em honra do elemento do linezolide que anda por terras francesas a trabalhar.

Pois é Riacrdo, espero bem que não gostes de leite no teu cházinho. Isto porque, segundo um estudo em que se determinava os efeitos cardiovasculares do chá preto, descobriu-se que estes são diminuídos ou mesmo anulados por completo quando o leite é adicionado ao chá.
O estudo foi concretizado em 16 mulheres (pós-menopausa) divididas em grupos que bebiam chá preto simples, chá preto com leite e o grupo controlo que bebia simplesmente agua fervida. O que os cientistas estudavam em cada mulher era a capacidade das veias dilatarem com o aumento da pressão sanguínea, após o consumo de chá preto. Neste caso, esta capacidade está aumentada quando se consome com frequência chá preto. Mas verificaram que o leite antagoniza este efeito sistémico.
Segundo o artigo publicado, isto pode explicar porque é que num país como o UK, onde é tradicional beber chá com leite, continua a existir um grande risco de acidente cardio vascular.

Eu respondo a esta conclusão, adicionando que os britânicos para além do chá, são conhecidos por tomarem pequenos-almoços muito ricos em calorias e colesterol (Bacon & eggs). Será que esta alimentação tradicional não tem uma maior importância do que o facto de pôr leite no chá?
Além disto, gostaria muito de ler o artigo publicado no European Heart Journal, para saber como é que estas senhoras foram seleccionadas.
Enfim, mais um estudo com resultados curiosos! ;-)

segunda-feira, janeiro 01, 2007